Higiene e segurança do trabalho: os erros mais comuns e as medidas mais adequadas

Higiene e segurança do trabalho: os erros mais comuns e as medidas mais adequadas

Higiene e segurança do trabalho são conceitos que visam promover o cuidado com a saúde e com o bem-estar dos profissionais durante o exercício das suas funções.

Na prática, é possível dizer que se trata de medidas que as empresas adotam a fim de evitar acidentes de trabalho e/ou o desenvolvimento de doenças decorrentes das atividades laborais realizadas por seus funcionários.

A ideia por trás da aplicação da higiene e segurança do trabalho em uma organização é entregar aos colaboradores locais seguros e saudáveis para que possam realizar as suas tarefas diariamente.

Além de ser uma exigência legal, a atenção a esse ponto ajuda a elevar a produtividade e nível de satisfação dos colaboradores, assim como contribui para que a empresa reduza os gastos relativos a afastamentos médicos resultantes de problemas de saúde dos trabalhadores.

No entanto, ainda que a prática e a aplicação da higiene e segurança do trabalho seja algo tão importante e necessário, muitos gestores ainda as negligenciam, ou aplicam o conceito cercado de erros e falhas.

Quais seriam os enganos mais comuns dessa área? Como evitá-los? O que é preciso para adequar a empresa em um cenário pós-pandemia? Confira essas e outras respostas sobre esse tema agora, neste artigo. Por isso, continue a leitura!

Qual a relação entre higiene e segurança do trabalho?

Qual a relação entre higiene e segurança do trabalho?

Para falarmos sobre a relação entre higiene e segurança do trabalho é preciso, primeiro, explicar o que significa cada um desses conceitos.

Higiene do trabalho

A higiene do trabalho pode ser definida como uma ciência que tem como principal objetivo garantir a integridade física e mental dos trabalhadores de uma empresa durante o exercício das suas atividades laborais.

A American Conference of Governmental Industrial Hygienists, ACGIH, define que a aplicação da higiene do trabalho seja dividida em três fases, que são o reconhecimento, a avaliação e o controle.

Na etapa de reconhecimento, cabe aos técnicos em segurança do trabalho identificar, em toda a empresa, a presença de agentes nocivos à saúde das pessoas que frequentam aquele ambiente, tais como poeira, fluidos, gases etc.

A avaliação consiste em reconhecer e definir o perfil dos agentes identificados, ou seja, se são físicos, químicos ou biológicos.

A última etapa da higiene do trabalho diz respeito à adoção de medidas que têm por principal objetivo diminuir, ou até eliminar, os riscos encontrados e identificados nas fases anteriores.

Segurança do trabalho

segurança do trabalho são todas as medidas e ações adotadas por uma companhia que têm por principal objetivo evitar que os funcionários causem ou sofram acidentes durante a realização das suas tarefas profissionais.

A segurança do trabalho é uma prática regida pela Norma Regulamentadora nº 4 – Serviços Especializados em Segurança e em Medicina do Trabalho – SESMT, cuja proposta e finalidade é assegurar locais de trabalho que garantam a saúde física e mental dos colaboradores, além de bem-estar e qualidade de vida.

Para alcançar essas metas e atender às definições da NR nº4, cabe às organizações adotarem uma série de medidas e ações que ajudem a orientar os profissionais quanto a esse cuidado.

Com isso, é possível minimizar, ou até mesmo eliminar, o risco de possíveis acidentes no ambiente de trabalho, situação que afeta não apenas a vida, a saúde e a rotina do funcionário atingido, mas também seus familiares, e a dinâmica da empresa.

A relação entre higiene e segurança do trabalho

Com essas definições sobre higiene e segurança do trabalho, fica mais fácil compreender a relação entre esses dois conceitos.

Dessa forma, é possível dizer que a principal proposta da implementação de ações voltadas para a promoção da higiene e segurança do trabalho em uma empresa é cuidar e preservar a saúde dos trabalhadores durante o exercício das suas responsabilidades laborais.

A aplicação dessas medidas visa diminuir o risco que as atividades realizadas durante a jornada de trabalho possam trazer para os profissionais, tais como colocar em risco o seu bem-estar físico e mental.

Aqui, vale lembrar que negligenciar esses pontos tende a comprometer a qualidade de vida dessas pessoas dentro e fora do ambiente de trabalho. Para a organização, pode trazer prejuízos financeiros, de relacionamento entre líderes e liderados, queda na produtividade e nos resultados dos produtos e serviços que são entregues aos clientes.

Quais são os erros mais comuns em higiene e segurança do trabalho e como evitá-los?

Quais são os erros mais comuns em higiene e segurança do trabalho e como evitá-los?

Mas como dissemos no início deste artigo, por mais que a promoção da higiene e segurança do trabalho seja algo obrigatório em todas as empresas — inclusive, regido por normas e legislações —, é normal que haja erros na sua execução.

Entre os mais comuns e recorrentes estão:

  • ver o setor de Higiene e Segurança do Trabalho apenas como mais um departamento
  • não promover a cultura da Higiene e Segurança do Trabalho
  • adiar manutenções e consertos
  • deixar de acompanhar o uso dos EPIs
  • não usar a tecnologia a favor da empresa

Ver o setor de higiene e segurança do trabalho apenas como mais um departamento

Infelizmente, ainda acontece de algumas companhias verem o setor de higiene e segurança do trabalho apenas como mais um departamento necessário para o funcionamento e legalização do negócio.

Isso tira desse setor a sua real importância, além de abrir margem para o cometimento de erros e falhas que podem ter resultados bem graves, dependendo da sua proporção, a exemplo de facilitar condições que colaborem para que acidentes de trabalho aconteçam.

O ideal é que o departamento de higiene e segurança do trabalho — o qual, muitas vezes, funciona atrelado à medicina do trabalho — seja parte da cultura do negócio.

Isso quer dizer que os profissionais (técnicos) dessa área devem estar presentes na vida dos funcionários e na rotina da empresa, adotando, diariamente, ações e procedimentos voltados para a prevenção de incidentes que coloquem em risco a integridade física e mental dos trabalhadores.

Quanto a isso, é possível considerar também que o setor de higiene e segurança do trabalho pode fazer parte do planejamento estratégico do negócio, considerando que a sua atuação ajuda a evitar gastos provenientes com essas ocorrências, a exemplo de afastamentos médicos para tratamento de saúde e até mesmo casos de processos judiciais por negligência.

Não promover a cultura da higiene e segurança do trabalho

Seguindo a mesma linha do erro anterior, não promover a cultura da higiene e segurança do trabalho tende a trazer vários problemas para as organizações.

Um bom exemplo do que queremos dizer com isso é a não inclusão da participação dos funcionários nesse processo, condição que é essencial para a promoção da conscientização da importância desses dois conceitos.

É bem importante destacarmos que propagar a higiene e segurança do trabalho é uma forma de aumentar a atenção e o cuidado dos trabalhadores durante o exercício das suas funções. Isso tende a acontecer porque o tema passa a fazer parte, naturalmente, de suas rotinas.

Ações e medidas com o objetivo de difundir o tema são essenciais para que os profissionais tenham ciência de quais ações a empresa está pondo em prática. Somado a isso, a propagação de boas orientações e informações evita que os trabalhadores adotem costumes equivocados que podem, inclusive, colocar sua segurança e de demais colegas em risco.

Para atingir esse propósito, a criação de uma CIPA, Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, é uma das maneiras de realizar uma boa gestão de prevenção a acidentes de trabalho.

Somado a isso, palestras, seminários, feiras e outras práticas relacionadas fazem toda a diferença na hora de transmitir conhecimento e orientação aos profissionais da companhia.

Adiar manutenções e consertos de equipamentos

A manutenção de equipamentos, seja ela preventiva, seja ela corretiva, também pode ser vista como uma forma de fomentar a higiene e segurança do trabalho. 

O principal motivo é que ações desse tipo ajudam a evitar acidentes, situação que gera a maioria dos resultados negativos que já citamos aqui.

No entanto, geralmente por questões financeiras, é comum que gestores adiam essas manutenções, deixando para realizá-las apenas quando maquinários e equipamentos apresentam falhas que tornam impossível a sua utilização.

De acordo com o dispositivo, sua aplicação e forma de uso, essa forma de gerenciamento tende a gerar ainda mais gastos para o negócio, e não economia, como muitos pensam.

Por exemplo, maquinários quebrados podem parar uma linha inteira de produção, comprometendo o volume de produção da marca e a entrega dos pedidos a clientes e parceiros de negócio.

Além disso, se a falta de manutenção desses equipamentos resultar em um acidente de trabalho, a companhia pode ser considerada negligente, condição que pode levar a processos judiciais trabalhistas e a uma série de consequências relacionadas.

Deixar de acompanhar o uso dos EPIs

Os EPIs, Equipamentos de Proteção Individual, são primordiais para garantir a segurança dos trabalhadores durante a realização das suas funções laborais.

Cabe às companhias não apenas fornecê-los, mas também orientar como deve ser o uso e fiscalizar essa utilização.

Deixar de fazer o acompanhamento dos equipamentos de proteção individual, todos os dias, pode resultar em problemas como:

  • aumento no número de acidentes de trabalho;
  • aumento no número de afastamentos médicos;
  • queda na produtividade;
  • perda da qualidade de vida dos profissionais;
  • desentendimento entre gestores e colaboradores quanto a importância do uso obrigatório dos EPIs;
  • incidência de multas para as empresas em caso de fiscalizações externas e/ou denúncias de negligência;
  • possibilidade de sofrer interdições e processos judiciais;
  • necessidade de pagar indenizações a funcionários ou pensões aos familiares quando acontecem acidentes graves ou mesmo fatais.

Não usar a tecnologia a favor da empresa

Outra boa forma de promover a higiene e segurança do trabalho, mas que, por vezes, é deixada de lado pelos gestores, é utilizar a tecnologia em favor da companhia.

Por  exemplo, a adoção de automação industrial, com sistemas que bloqueiam e desligam equipamentos em situações de emergência, é uma das medidas relacionadas a essa questão.

Há também sistema próprios para identificar, previamente, possíveis falhas em maquinários, o que ajuda a realizar a manutenção necessária antes da sua parada total ou, ainda mais grave, antes que esse erro cause um acidente de trabalho.

Quais são as melhores práticas, medidas e mudanças em tempos de pandemia?

Quais são as melhores práticas, medidas e mudanças em tempos de pandemia?

As ações voltadas para a higiene e segurança do trabalho sempre foram essenciais para criar uma empresa com clima seguro e satisfatório para os profissionais. No entanto, com a chegada da pandemia do novo coronavírus, essa prática se tornou ainda mais importante.

Durante o período mais intenso de contágio, as medidas com foco em higiene e segurança do trabalho foram primordiais em companhias que continuaram operando presencialmente.

Mas mesmo com a propagação do vírus reduzindo e com um número cada dia maior de pessoas vacinadas, os gestores não podem diminuir os cuidados adotados até então.

Como boas práticas em um cenário pós-pandemia, entre os protocolos mais indicados que merecem ser mantidos estão:

  • manter as orientações dos trabalhadores quanto a forma como as doenças se propagam;
  • propiciar formas de os profissionais realizarem sua higiene pessoal, como a oferta de produtos de higiene e limpeza, a exemplo do álcool em gel, sabonetes líquidos, papel-toalha, entre outros;
  • continuar com a higienização adequada dos locais de trabalho, com ênfase aos de uso comum, como refeitórios e banheiros;
  • criar campanhas informativas para difundir as medidas de proteção atualizadas, as quais são definidas pelos órgãos responsáveis pela saúde nacional e modificadas conforme acontece a evolução da pandemia acontece no nosso país.

Como você pôde ver, garantir a higiene e segurança do trabalho é uma forma de propiciar aos funcionários da sua empresa mais saúde e qualidade de vida.

Do ponto de vista gerencial e estratégico, as ações relacionadas a essa prática evitam gastos gerados por acidentes de trabalho, incluindo afastamentos médicos e até processos trabalhistas.

Que a higiene e segurança do trabalho são essenciais para a entrega de um ambiente de trabalho seguro e agradável, isso não restam dúvidas. A pergunta que fica é, como tornar isso uma realidade no seu negócio?

Um dos caminhos é criar um departamento interno próprio para atender a essa necessidade. Porém, dependendo do porte da empresa, essa opção se torna inviável.

Assim, o meio mais indicado é terceirizar esse serviço. Não sabe como fazer isso? Então leia agora mesmo o artigo: “Vale a pena terceirizar a medicina do trabalho?

Gostou do texto?

Deixe seu email e enviaremos todas as semanas novidades para você!

Confira também

IMPORTANTE: Devido ao grande número de perguntas similares no blog, estamos selecionando as melhores para responder. Sendo assim, sugerimos que você busque a resposta para a sua dúvida nos comentários antes de enviar sua pergunta. Obrigado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X Cadastre-se Faça seu cadastro e receba no seu email tudo sobre segurança no trabalho! Não enviaremos spam!